Blogs de Portugal

SE NÃO EXISTISSES QUE FALTA FARIAS?



A vida é muito curta para ser pequena. Se a vida é curta já por si só, não sejamos nós a torná-la pequena.
E quando é que apequenamos a vida? Com uma vida superficial, banal, fútil.


Se não existisses, que falta farias?

Fazemos falta quando não somos esquecidos. Morrer é ser esquecido.
Para fazer falta na vida, tens de ser importante. Mas ser importante não é ser famoso. Há muita gente importante e não é famosa e muitos famosos sem qualquer importância.

A Importância constrói-se na família, na comunidade, nos amigos, no trabalho.

Uma pessoa importante faz falta aos outros.

Importante é uma pessoa que fica nos outros. Importante é alguém que levo para dentro de mim, ou seja, eu importo-a para o meu coração, para os meus afectos.

Assim, no dia em que eu morrer/partir/for eu quero ficar. E só tem uma maneira de ficar.
Ficar no coração, na recordação das outras pessoas.

A superficialidade da nossa vida consiste no facto de não se saber qual o nosso legado, qual a nossa obra, que obra vamos deixar. De que forma vamos ser recordados.

Eu trabalho no atendimento ao público num serviço público. Mas, o que eu faço não é atendimento. É serviço público. É servir.

À vezes é preciso entender o propósito, saber qual a minha obra. A minha tarefa é atender ao público, mas a minha obra, o meu propósito é construir um melhor serviço público, uma melhor comunidade.

Por isso, independentemente de quem me lidera, quero que o meu propósito seja bem sucedido e, assim, ser importante na vida de alguém, de quem se cruza comigo. Ser recordada, ficar nos corações.

Não é preciso ter ideologia política para se fazer obra ou ser de confiança. Basta ter um propósito.
Por isso, é um perigo ser gente "morna". Muitas pessoas se apequenam na forma como se envolvem nas suas actividades.

QUAL É O TEU PROPÓSITO?
QUANDO MORRERES, O QUE É QUE DEIXAS?
O QUE É QUE FIZESTE PARA HONRAR A TUA EXISTÊNCIA?

Existem pessoas que destroem o ambiente, humilham pessoas, furtam, desviam, fingem. Esse é o reino da mediocridade.
No reino da mediocridade vivem pessoas que não têm uma hora por dia para conversar com os pais, ou brincar com os filhos, olhar as estrelas ou fazer uma oração.
As palavras de um moribundo para o seu médico não são ter mais tempo para mandar em mais pessoas, humilhar mais gente, comprar um carro topo de gama.
No leito de morte, o moribundo anseia para ter mais um dia ou uma hora ou um minuto para abraçar aquele amigo que deixou de falar há mais de 10 anos ou para dizer à mulher que a ama.

Na hora da partida as pessoas falam do que IMPORTA na travessia. E essa travessia faz-se acompanhados.

QUAL O TEU PROPÓSITO DE VIDA?

Não é ser imortal. Mas ser eterno. 
E eu sou eterno na obra/propósito que deixo. 
No meu trabalho, na minha família, nos meus amigos, na minha comunidade.

Sejam eternos!

Gabriela

post inspirado em Mário Sérgio Cortella

LIMPAR A CASA MATA!


Eis que, finalmente, surge um estudo que me vem de encontro ao que eu já sentia há algum tempo.
Segundo este artigo da revista Visão, arrumar a casa é tão nocivo para as MULHERES (e, pelos vistos, só a nós...) como fumar vinte cigarros por dia!

Não vos vou maçar com o estudo em si, mas das consequências que podem advir desse título maravilhoso que a revista Visão escolheu para atrair os leitores (eu incluída).
O título é: "Limpar a casa faz tão mal às mulheres (sim, só a elas) como fumar vinte cigarros por dia".

Só de ler este título veio-me logo à cabeça a quantidade de memes que se pode fazer:




Se querem a minha modesta opinião, acho muito sinceramente que este estudo vem na sequência das comemorações do Dia Internacional da Mulher. 
Visa a revolta feminina em massa contra a opressão e a escravidão das limpezas!

Eu, que me custou (e custa) horrores ter deixado de fumar, pois era algo que me dava prazer, será bem mais fácil largar esse vício terrível que é limpar a casa! Chega de horas perdidas a lavar casas de banho e cozinhas! Abaixo a limpeza do forno e da placa de indução!

A partir de hoje o único detergente que qualquer mulher está autorizada a usar é este:

Mulheres contra a opressão das Limpezas: UNI-VOS!

Gabriela


RESET 


Já repararam como a sociedade está cada vez pior? Já repararam que, em vez de evoluirmos como seres humanos, estamos cada vez mais "homens das cavernas"?

Precisamos de fazer um reset a este lugar chamado Terra. E porquê? perguntam vocês. Vou passar a explicar com uma canção e um genérico de uma novela:

A origem deste post está no genérico da novela Tieta do Agreste.

Não sei como me transformei numa adulta minimamente saudável, quando, aos 11 anos, a novela das 8 da noite era Tieta do Agreste. Juro! Não sei mesmo!

Que pais tinha eu, que me deixavam ver uma novela cuja imagem de abertura era a actriz Isadora Ribeiro com as maminhas à mostra e que a canção dizia "Tieta do Agreste, lua cheia de tesão"?

Isto era mais do que motivo para se chamar os serviços da comissão de protecção de crianças e jovens. Era motivo para eu me tornar um ser humano perturbado (não quero dizer que não o seja...)

Como é que se deixa uma criança de 11 anos ver uma novela onde existia uma mulher de branco que atacava sexualmente os homens mais incautos da cidade? 
Onde existia uma viúva que tinha mandado embalsamar o "dito cujo" do marido para a consolar nos dias mais cinzentos?
Onde uma beata andava em casa sem saia e sem roupa interior?

Oh que Mundo é este?!

No entanto, quanto mais evoluímos em tempo, regredimos nos comportamentos.

Hoje em dia, por exemplo, está na moda ser feminista.
 Nada contra. Da parte de ser feminista só quero a parte dos direitos iguais, no entanto, como mulher, pretendo continuar a ser feminina. Continuo a gostar do cavalheirismo, do homem que deixa a mulher passar à sua frente, do piropo educado. Ou seja, somos, homens e mulheres, naturalmente diferentes, e há coisas que se devem manter diferentes.

Também é socialmente correcto ser "de esquerda". Todos iguais, os mesmos direitos para todos.
Bullshit, meus amigos. Eu quero ter acesso às mesmas oportunidades, mas quero ser distinguida dos demais pelas minhas características e capacidades. Logo por aí, a impossibilidade de igualdade.

Outra cena muito fashion é não "bater" nos filhos. És um pai terrível se ousares levantar a mão para dar uma sapatada no teu filho. O teu filho pode ficar traumatizado e como consequência disso,  tornar -se num psicopata terrível!
Pobre de mim, mais uma vez... Incontáveis vezes levei tabefes da minha mãe. 
Uma das vezes (a que mais vergonha me causou) foi em frente ao café que frequentava na adolescência. Levei dois "bufardos" bem dados à frente dos meus amigos, que a vergonha me impediu de frequentar novamente o café durante três dias...
 Nesse malfadado tempo dos anos 90 ninguém se indignava contra as mães. Não! Uma injustiça! Todos, atenção que TODOS (até os teus melhores amigos), estavam contra ti. O que terias feito tu contra a tua mãe para levares na cara? De certeza que foi bem merecido.
E não havia cá conversas. levavas nas trombas e só depois é que, eventualmente, poderias perguntar porque estavas a levar... 

E quem de vós, minhas amigas, não tem uma foto na praia, aí com uns 10/11 anos, de "unikini"? Que pouca vergonha era esta? 
Hoje em dia, bébé mulher com 8 meses usa "bikini"! Ou então fato de banho estilo século XIX.

Numa situação evoluímos. Na forma como se tratam os animais. Com mais respeito, com mais dignidade. Mas, em compensação, é normal abandonar idosos. Há mais leis que protegem mais os animais do que leis que protegem os velhos...

Pois é meus amigos, uma coisa é certa: continua estar na moda coisas que já se podiam ter eliminado, do género: a guerra, a fome, os sentimentos mesquinhos...

E é por isso que continuamos a ser homofóbicos, xenófobos, extremistas, preconceituosos. E talvez seja por essa razão que os ET's não queiram comunicar connosco...

Se não for possível fazer um RESET, talvez um ERASE AND REWIND???

Gabriela


ONE




Hoje faz 25 anos.

Hoje fiz uma retrospectiva destes 25 anos.

A caminhada faz-se caminhando, e que, tal como diz a letra da canção:

"Love is a temple, love the higher law".

Sem amor nada dura. O amor continua a ser a lei maior.

Assim, meu amor, mesmo que tu sejas parco nas palavras, mas generoso nas tuas atitudes;

Somos diferentes, mas somos UM.

Um amor, uma vida...

LY

Bi



PESSOAS QUE SÃO NUVENS NO ARCO ÍRIS DE ALGUÉM




Há dias vi este post no blog da Ana Gomes. Só dizia mesmo isto: Seja o Arco-íris na nuvem de alguém.

Esta frase, ultimamente, não me tem saído da cabeça. Isto porque, se há coisa que grassa por este mundo de Nosse 'Senhor são pessoas que fazem questão de ser NUVENS no arco-íris de alguém.

São pessoas que carregam consigo toda uma quantidade de nuvens bem negras, carregadas de sentimentos pouco saudáveis, tais como: a inveja, a lamúria, a discórdia, a confusão...

São seres humanos que só se sentem bem a maltratar outras pessoas. Pessoas, essas, normalmente com alguma qualidade que falta às nuvenzinhas.

Pessoas que gostam de fazer críticas, mas não de forma construtiva. Criticam mesmo para deitar abaixo, para fazerem o outro se sentir inferior.

Essas pessoas vieram ao mundo com a missão de ser desmancha prazeres e empata "fadas".

Por norma, são pessoas com déficit de atenção. Ou seja, querem elas próprias serem o centro das atenções porque não podem ver outros brilhar.

Todos nós, alguma vez na vida, fomos uma nuvem no arco-íris de alguém. Mas há pessoas que fazem questão de o ser todos os dias.


Ser o arco-íris de alguém é tão melhor! Porque não fazer um elogio sincero a um amigo? Porque não fomentar a alguém a auto-estima? O que é que ganhamos em ser mesquinhos e maldosos? A nossa melhora ao tornar a vida de outra pessoa mais triste? 
NÃO!

Por isso, enquanto escrevo este post, faço questão de, todos os dias, ser o arco-íris de alguém. Por vezes não é fácil, mas é muito mais recompensador!

Beijos,

Gabriela



Mesmo eu estando com uma preguiça mental que me leva a procrastinar. Mesmo que não escreva já há algum tempo, vocês continuam a visitar a "tasca".

Vós que, usam um minuto do vosso tempo para visitar este blog e ler as parvoices que eu escrevo.

Vós, que gostam de ler blogues de auto-estima, mas que não deixam de dar uma espreitadela ao meu canto para ver se eu continuo com a mesma sanidade mental.

Vós que, de certa forma, também são um pouquinho loucos como eu,


OBRIGADA

MINUTO DIZ QUE É UMA ESPÉCIE ÀS NOVE NA MINHA TASCA #3




Alô seus cutchis mais fofos da blogosfera. Eu sei que tenho andado desaparecida destas bandas, mas é por um bom motivo. É que, assim de repente, não me tem apetecido escrever e como os meus patrocinadores não me chateiam muito, posso dar-me ao luxo de escrever quando me apetece.

Eu sei que estou em falta para convosco, mas escrever "por arrasto" não é a minha cena. E, para estar a escrever coisas que não brotam do meu ser mais profundo, prefiro estar quieta.

Mas vou-me deixar de tretas e vamos ao que realmente interessa.

O minuto motivacional de hoje é:

DEVIA HAVER UMA PÍLULA ANTI-DECEPCIONAL



Vou explicar-vos como surgiu este pensamento profundo. 
Ontem, recebo uma mensagem de uma amiga com uma imagem deste tipo. Mas não fiquem já a pensar que eu a depecionei. Nada disso. Ela como alinha pela mesma cena non-sense que eu, lançou-me este tema para dissecar.

Assim, de facto, estamos em pleno século XXI, com evolução da ciência a vários níveis e COM'É QUE É POSSÍVEL, ainda ninguém se ter lembrado de inventar uma pílula anti-decepcional?!?!

Era tudo tão mais fácil. Não ter de lidar com as nossas emoções. E o mais espectacular é que dava para qualquer situação.

Senão, vejamos alguns exemplos práticos:

1.º Achavas que tinhas um amigo, que afinal se revelou um grande filha de uma senhora que, porventura, pratica actos sexuais remunerados? Toma uma pílula anti-decepcional que isso passa!

2.º Estavas quase a ter uma promoção no trabalho, mas algum colega (segundo o meu pai, na tropa, colegas eram as senhoras que exerciam actos sexuais remunerados) ficou com a tua promoção porque tu não foste capaz de ser um lambe-botas como deve de ser? Tomas uma pílula anti-decepcional!

3.º Aquele aumento de salário não aconteceu porque não atingiste os objectivos? Sa'fôda! Toma um anti-decepcional e tá tudo bem!

4º Descobriste que o teu filho não está no terceiro ano da faculdade, mas sim no primeiro porque tu, como mãe/pai não quiseste saber? E vai uma pílula anti-decepcional pela goela!

5º Sobes na balança e descobres que engordaste 20 quilos? Hello? Pílula anti-decepcional in the house, yeah!

 6.º Descobres que o teu namorado/marido te anda a trair?
Ai aqui desculpem lá! Até posso tomar a pílula anti-decepcional mais tarde, mas primeiro teria de cometer vários crimes. A saber:
a) Pegar numa tesoura e, carinhosamente, cortar toda a peça de roupa dele/dela (cuecas e meias também contam);
b) Furar os quatro pneus do carro dele/dela;
c) Riscar o carro dele/dela com uma chave de fendas;
d) Colocar laxante na comida dele/dela;
(a ordem pode ser inverida e aleatória)

As decepções acontecem, fazem parte da vida. 

E acontecem porque o ser humano coloca amor nas relações. E as decepções acontecem porque, na equação da vida, existe sempre um grau maior ou menor de expectativa. Se o amor é muito grande a expectativa é proporcional ao amor. Se te decepcionas, esta será na medida exacta do amor e da expectativa.

Esse tipo chamado "Amor", que controla tudo, lixa-nos a vida. 
Mas, eu percebo que esta pílula não seja inventada. Se fosse, o que seriam dos "Raules da minh'alma", "Gustavos Santos" e "Pedros Chagas de Freitas" desta vida? 

E os blogues? Doces de limão e Noves no  Blogue seriam obsoletos.
Tipo:
"Ah e tal estou tão em baixo porque o meu namorado me deixou... Que horas são? Ah são nove horas! Vou num instante ler o blogue ver se a frase de hoje se encaixa no meu mood.."
Isto deixaria de acontecer! Tomavas uma pílula anti-decepcional e está pronta para seguir o Mandamento da Lei de Deus que é nada mais nada menos do que Amar o Próximo...

Beijocas fofas e abracinhos e ursinhos e gatinhos com lacinhos da vossa,

Gabriela

SE NÃO EXISTISSES QUE FALTA FARIAS? A vida é muito curta para ser pequena. Se a vida é curta já por si só, não sejamos nós a torná...